quarta-feira, 4 de julho de 2012

e não houve “pega de caras”…

Centenas concentraram-se hoje em frente à Universidade do Minho. Dezenas já se tinham concentrado hoje em frente à Bosch.
Com bandeiras pretas, gaitas e apitos, os manifestantes queixavam-se, sobretudo, de corte de subsídios e contratos precários e também contra a fusão das freguesias e outras medidas de austeridade.
O coordenador da União dos Sindicatos de Braga estava presente nos protestos.
Mas não conseguiram cruzar-se com Passos Coelho. Agência Lusa

A nova técnica da Intersindical, que veio substituir as manifs dos 300.000 no Terreiro do Paço, parece estar a resultar junto dos meios de comunicação que temos.
A multiplicação de imagens, sons e textos preparam autárquicas e europeias e levam os menos cultos ou os mais imbecis a acreditar que este governo não vai resistir. Como se fosse possível retornar às revoluções dos anos 70!
Contudo podemos acreditar que alguns têm informação privilegiada e, lá longe, entre Bruxelas e Berlim se preparam para nos nomear governo não eleito a exemplo da Itália de Monti ou da Grécia de Papademos…
Claro que este é um mau, ou mal preparado, governo mas foi aquele que apenas há um ano decidimos ter! (parece que os democratas já disto se esqueceram)
ps: desta vez, em Braga, não estava o Bicho e, não havendo “pega de caras”, as imagens apenas mostram fãs das vuvuzelas e dos apitos. Isto é, continuamos com os futebóis que, mesmo mau, sempre nos alegra!

Sem comentários: