segunda-feira, 6 de março de 2017

em Janeiro…

em 27 de Novembro pp, declarou o imbicto presidente:

“O eixo central: Avenida da República, Saldanha e Fontes Pereira de Melo, contamos fechá-la em Janeiro. A frente ribeirinha estará concluída no início do segundo trimestre de 2017, havendo uma normalização da circulação viária antes disso, já no mês de Janeiro”, disse o autarca. “O Cais do Sodré terminará em Janeiro, a Rua da Alfândega já terá terminado por essa altura e ficaremos depois confinados à parte final da obra que é a conclusão do parque de estacionamento do Campo das Cebolas.” (no Observador)

sábado, 18 de fevereiro de 2017

manter o país sob controlo, custe o que custar...

o PS e os seus porta-vozes oficiais ou informais vêm exibindo uma riquíssima paleta de estratégias, umas concertadas, outras desconcertantes, todas atiradas para a arena sem especial ordem de preferência, inteligência ou, convenhamos, vergonha na cara.
Com o rigor possível, consegui catalogar algumas:
- Estratégia A Minha Pátria é a Banca Portuguesa.
a CGD é uma instituição sensível que deve ser tratada com consideração e pinças. Perder tempo com irrelevâncias…é, vendo bem, um acto de traição.
- Estratégia O Respeitinho é Lindo. 
é indecente andar-se a julgar o carácter alheio, principalmente de personalidades que não possuem nenhum. Vilezas assim só se admitem, e até incentivam, quando o julgado pertence à “direita”.
- Estratégia Galo de Barcelos. 
-insistir nestas polémicas escusadas dá uma péssima imagem do lá fora.
Estratégia Amigos Para as Ocasiões. 
O que passou, passou. A quem importam os SMS trocados? Que interessa quem disse e fez o quê? Não queremos construir um futuro comum? De que vale agora apontar culpas?
- Estratégia Ocasiões Para os Amigos. 
a culpa é obviamente do dr. Domingues, que reclamou intoleráveis privilégios – os drs. Centeno, Costa e Marcelo são inocentes em ambos os sentidos da palavra. …
Ou, melhor ainda, a culpa é da “direita”, porque as leis da física ditam que as responsabilidades por cada embaraço indígena acabam por cair em cima de Pedro Passos Coelho.
- Estratégia O Peso da Tradição. 
admitamos que o ministro, o Presidente da República e, por mera hipótese académica, o virtuoso primeiro-ministro mentiram. E depois? Os políticos não costumam mentir? 
- Estratégia Recolher Obrigatório. 
este é um caso encerrado.
- Estratégia A Vida Continua. 
mudemos de assunto e mostremo-nos chocados e constrangidos pelas revelações inoportunas que “o Cavaco” (esgar de desprezo) publicou em livro, para cúmulo escrito pelo próprio (repetir o esgar).
.

A franca sabotagem da comissão de inquérito prova que a maioria de esquerda abdicou de vez do verniz “institucional” e assumiu o seu único objectivo: manter o país sob controlo, custe o que custar. (in Acabar com a democracia por SMS por Alberto Gonçalves)

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

as etiquetas partidárias...

Ouço por vezes falar em "ideologias" na política portuguesa. Há até uns sábios que se assumem como guardiães dos respectivos templos.
Mas que ideologias, afinal?

CDS reivindicou-se sempre como partido "do centro". C de centro, aliás. Mas esteve sempre à direita do centro, contrariando aliás a vontade de um restrito núcleo dos seus fundadores.
O PP de CDS/PP veio dar-lhe coerência onomástica, mas retirou-lhe o sentido democrata-cristão.
PCP só seria comunista se fosse um partido revolucionário. Mas é um partido institucionalista, com base social no funcionalismo público a nível nacional e local. Nada tem de revolucionário.
PSD nunca foi social-democrata. Foi - e é - um partido liberal, conservador, com matizes populistas nas suas adjacências regionais.
O PPD de PPD/PSD foi-lhe retirado quando era o que lhe dava coerencia filosófico-partidária.
PS meteu o socialismo na gaveta ainda na década de 70. Teve sempre uma matriz dominante - a da social-democracia clássica, com erupções sociais-cristãs sobretudo no consulado de António Guterres.
Bloco de Esquerda é vagamente "socialista" mas contemporizador com a UE capitalista, da qual não quer dissociar-se. Burguês até à medula, com representação residual junto dos segmentos mais pobres da sociedade. 
PEV é tão ecologista como eu sou evangélico, xintoísta ou libertário. Eterna muleta do PCP, sempre foi muito mais vermelho que verde.

(por Pedro Correia in As etiquetas partidárias )

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

as mentiras do celeireiro da geringonça…e dos seus companheiros de Abadia!

“isto” já não é politica de políticos e tenho pena que os idiotas-úteis não o entendam! 
A verdadeira questão não é futebolisticamente de esquerda-direita! A verdadeira questão é
- Se como cidadãos, mais democratas ou menos democratas, aceitamos ou não aceitamos ficar calados perante a posição do Presidente da Republica, da esquerda e da extrema-esquerda?
e se
- Poderemos aceitar ficar “surdos, cegos e mudos”, como já começa a ser veiculado por políticos, comentadores e pela imprensa (a que temos direito) de que, talvez por “estrito interesse nacional”, teremos que aceitar que, mais uma vez, a verdade morra solteira?
.
Qual é a confiança que poderemos ter nestes políticos, comentadores e imprensa (a que temos direito)? 
Isto não é futebol onde ninguém "muda de clube” por piores que sejam os resultados obtidos porque, “um dia”, os resultados foram muito bons!

o que se pode ler nas entrelinhas?

Ninguém estava à espera. Perto da meia-noite de segunda para terça-feira, Marcelo Rebelo de Sousa colocou um comunicado no site da Presidência sobre a polémica que levou Mário Centeno a colocar o seu lugar de ministro das Finanças à disposição de António Costa.
.
O Presidente da República recebeu, a pedido do Senhor Primeiro-ministro, o Senhor Ministro das Finanças que lhe deu conhecimento prévio da comunicação que iria fazer ao País.
O Presidente da República:
1.º – Registou as explicações dadas pelo Senhor Ministro das Finanças, bem como a decorrente disponibilidade para cessar as suas funções, manifestada ao Senhor Primeiro-ministro.
Primeiro, Marcelo revela que o ministro apresentou a demissão, ou uma espécie de demissão, num dia em que o primeiro-ministro estava fora do país. Depois, se os ministros apenas respondem perante o primeiro-ministro, desde quando dão explicações, a sós, ao Presidente da República?
2.º – Tomou devida nota, em particular, da confirmação da posição do Governo quanto ao facto de a alteração do Estatuto do Gestor Público não revogar nem alterar o diploma de 1983, que impunha e impõe o dever de entrega de declarações de rendimento e património ao Tribunal Constitucional.
Confirmação? Então ainda havia dúvidas sobre o diploma que o PR promulgou em julho de 2016?
Posição essa, desde sempre, perfilhada pelo Presidente da República – aliás, como óbvio pressuposto do seu ato de promulgação – e expressamente acolhida pelo Tribunal Constitucional.
Se sempre foi esta a posição do PR, que dúvidas houve então sobre a posição do Governo? Que segredos ainda nos revelarão os SMS?
3.º – Reteve, ainda, a admissão, pelo Senhor Ministro das Finanças, de eventual erro de perceção mútuo na transmissão das suas posições.
O PR “reteve” a admissão do erro “mútuo”, ou seja, sublinha que o ministro admitiu que errou ao dar a Domingues uma percepção errada. Mas será que acredita que foi só isso que aconteceu? Ou está a sugerir que poderá ter mentido?
4.º – Reafirmou que a interpretação autêntica das posições do Presidente da República só ao próprio compete.
Quem será que está a interpretar indevidamente o pensamento do Presidente? Se a "interpretação autêntica" só ao próprio compete, porque não a explica melhor para evitar interpretações indevidas?
5.º – Ouvido o Senhor Primeiro-ministro, que lhe comunicou manter a sua confiança no Senhor Professor Doutor Mário Centeno, aceitou tal posição, atendendo ao estrito interesse nacional, em termos de estabilidade financeira.
Centeno só se aguenta em nome do interesse nacional, noutras circunstâncias teria sido demitido. Ou seja, já só tem a confiança do primeiro-ministro. O paradoxo é que só necessita dessa confiança para se manter no lugar, não da confiança do PR. O que significa que esta passagem do comunicado é politicamente assassina. E qual o interesse de Marcelo em deixar o ministro ainda mais fragilizado?
Palácio de Belém, 13 de fevereiro de 2017″

domingo, 12 de fevereiro de 2017

a “habilidade do Costa”

Já se percebeu, que se forem encontradas as provas da mentira, que a próxima vítima será Centeno. Um governo que elevou a mentira a método de trabalho precisa de vítimas para proteger o PM. Mas, a acontecer, a demissão de Centeno seria de certo modo injusta. O problema não é o ministro das Finanças e a sua demissão não resolve nada.
O problema é mais profundo. Entre os compromissos com a União Europeia e os acordos com o PCP e o BE, o governo precisa de esquemas, de secretismo, de mentiras. Em suma, aquilo a que muitos chamam a “habilidade de António Costa”. 

domingo, 5 de fevereiro de 2017

uma boa notícia para os consumidores domésticos?

Segundo o jornal oficial da geringonça, o presidente do conselho da minoria que nos governa  quer cortar "às empresas" o subsídio da luz que o ex-primeiro ministro Pinto de Sousa lhes tinha "dado" para que baixassem os custos de produção. 
Até parece uma boa notícia para os consumidores domésticos, se for posta em prática, mas se-lo-à para “as empresas” que, com electricidade mais cara, terão que aumentar os custos de produção e colocar o que produz a preços mais elevados?
.
Realmente na conta das eléctricas entram remunerações à EDP e à REN, o financiamento da RTP, da ERSE e da AdC, pagamentos aos municípios e até impostos com destinos desconhecidos.
.
Lá para Fevereiro, se a memória não me atraiçoar, voltarei ao assunto!

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

um festival !

a Câmara Municipal de Lisboa assume a gestão da Carris a partir de 1 de janeiro de 2017 por isso:
- as crianças entre os 4 e os 12 anos vão ter direito a um passe social gratuito e
- o passe sénior passará a custar 15 euros
além disso
- mais 21 novas carreiras, para facilitar as deslocações dos mais velhos entre pontos como centros de saúde, mercados, farmácias, escolas ou zonas comerciais.
- 250 novos autocarros e
- 220 novos motoristas