terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

uma excepção no governo: João Correia

Por uma questão de igualdade na defesa dos direitos, o secretário de Estado da Justiça, João Correia, advogado de formação, concorda com a existência de segredo de justiça, justificando que este serve para «proteger a investigação, as vítimas, os suspeitos, isto é, defender a própria cidadania», contudo caso este seja violado deve acabar para todos os sujeitos processuais. «Defendo que se o segredo de justiça for quebrado, este deve acabar para arguidos, ofendidos, vítimas e agressores. Se foi violado para uns é violado para todos, deixa de existir internamente», sugeriu João Correia, para quem há crimes que não se justifica serem protegidos por segredo, dando como exemplo «injúrias, danos ou acidentes de viação». TSF
João Correia, discorda da sugestão da procuradora geral adjunta Cândida Almeida que defendeu escutas a magistrados para proteger o segredo de justiça. «Não estou de acordo com a sugestão, porque isso significava que o magistrado que dirigie um inquérito e está sujeito a segredo presumivelmente era infractor», «Defendo que se o segredo de justiça for quebrado, este deve acabar para arguidos, ofendidos, vítimas e agressores. Se foi violado para uns é violado para todos, deixa de existir internamente», sugeriu João Correia, para quem há crimes que não se justifica serem protegidos por segredo, dando como exemplo «injúrias, danos ou acidentes de viação». diario digital
...parece uma carta fora do baralho!

Sem comentários: