quinta-feira, 29 de novembro de 2012

dificuldades jornalísticas de interpretação linguística…



"Nunca o Governo pôs em causa a gratuitidade da escolaridade obrigatória". Foi esta a frase de Nuno Crato enviada às redacções num comunicado sem qualquer outro conteúdo. O ministro da Educação e Ciência reagiu assim à “interpretação jornalística” das declarações do primeiro-ministro que, em entrevista à TVI, disse que a Constituição "não trava mudanças no financiamento do sistema educativo, que pode assim passar a ser semipúblico com a introdução de co-pagamentos nos níveis de ensino que hoje são gratuitos" e que foram “interpretadas” como uma possível intenção do Governo em introduzir a cobrança de propinas no ensino secundário no âmbito da reforma do Estado… seguramente por desconhecerem que o ensino secundário está inserido no Ensino Obrigatório (ou por outra razão mais esconsa de que é melhor não admitirmos que exista!)

Sem comentários: