terça-feira, 11 de janeiro de 2011

e Quarta-Feira cada vez mais próxima...

Teodora Cardoso, administradora do Banco de Portugal,. defendeu hoje que Portugal precisa de apoio externo a curto prazo, seja do Fundo Monetário Internacional ou do Fundo Europeu de Estabilização Financeira de modo a recuperar a confiança dos mercados. «É mais fácil se tivermos um apoio externo, desde logo porque isso permite que o ajustamento não seja tão abrupto, mas feito sozinho, para os mercados acreditarem nele, teria que ser brutal», disse à margem da 1ª Conferência da Central de Balanços do Banco de Portugal. sol Manuel Alegre, em declarações aos jornalistas, foi contundente: «Os defensores do FMI são o núcleo central da campanha de Cavaco Silva» e criticou o chefe de Estado que acha que está a ter uma «atitude excessivamente passiva e muito próxima daqueles que até sorriem quando se fala da entrada do FMI em Portugal». sol tsf Cavaco Silva, em entrevista à RTP, admitiu que «está preparado» para a hipótese de o FMI entrar em Portugal, no mesmo dia em que Teodora Cardoso defendeu as virtudes da ajuda externa, mas sublinhou as desvantagens referindo que «o FMI não conhece a realidade social portuguesa» e sugeriu ao Governo uma «alternativa»: a venda de activos, para pagar dívidas contraídas pelo Estado e deu como exemplo a recente alienação do fundo de pensões da PT para propor ao Governo que estude a hipótese. sol expresso O primeiro-ministro e o ministro das Finanças vão fazer hoje, terça-feira, uma declaração conjunta à imprensa, cujo tema principal será a execução orçamental de 2010. "Podemos garantir que a meta dos 7,3% foi alcançada, todos os sinais que temos apontam nesse sentido", afirmou, na altura, o secretário de Estado do Orçamento, Emanuel dos Santos, no "briefing" após a reunião do Conselho de Ministros. No entanto, na quinta-feira passada, o Governo não avançou com os números finais da execução orçamental de 2010, garantindo apenas que a meta do défice foi cumprida. jn Será que esta declaração chegará para acalmar os mercados e a UE? Duvido mas vamos ver o que acontece na Quarta Feira e esperar, como dizia Jacinto Nunes, “um milagre da Senhora de Fátima”...

Sem comentários: