segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Justiça Social: que alguém faça o "trabalho de casa"

O CDS anunciou hoje que irá requerer a apreciação parlamentar do decreto do Governo que corta no abono de família, tendo como objectivo fundamental repor este benefício social a famílias com rendimentos entre os 629 e 1050 euros. “Retirar o abono de família a pessoas que recebem 629 euros por mês é algo que demonstra uma política anti-social, anti-família e anti-natalidade. Para o CDS é fundamental que, quem tem filhos em idade escolar e recebe pouco, possa ter um complemento por parte do Estado, que o é o abono de família”, referiu o deputado Mota Soares. “A medida foi criada por um Governo que teve a influência do CDS, com António Bagão Félix, e destina-se a dar um pouco mais a quem tem muito pouco, e agora o PS prepara-se para retirar. Bastava o Governo dar um pouco menos às empresas públicas e já era possível dar um pouco mais a quem precisa, porque recebe muito pouco”. Interrogado sobre quanto custa manter o abono de família para este escalão de rendimento, o líder parlamentar do CDS disse que a parte relativa ao quarto escalão “tem um impacto reduzido, pouco mais de 100 milhões de euros”. sol Pinto de Sousa, por exemplo, vai gastar mais de 4 milhões num ano. Em assessores, secretárias e outros colaboradores, o primeiro-ministro gasta 2,67 milhões de euros e só nos últimos 12 meses já nomeou 20 motoristas.e Também, segundo as previsões das Finanças, a Administração Central do Estado (excluindo autarquias, organismos e serviços autónomos) vai pagar mais de 330 milhões de euros a entidades prestadoras de serviços em elaboração de estudos e consultadoria, segurança, assistência técnica e “outros serviços especializados”…

1 comentário:

Miguel A. Ferreira disse...

Gastar dinheiro no essencial... não nas famílias. Enfim, mais do mesmo só mais apertado.
Cump.