terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

da “gripe E” à “pneumonia”

Por qualquer razão obscura, ainda não percebi se vinda do sub ou do inconsciente, sinto que quando o ainda primeiro-ministro avança com a notícia das melhoras da nossa “gripe económica” (devíamos começar a chamar-lhe “gripe E”) chega a “pneumonia”.
Assim voltou a acontecer. À notícia do fabuloso aumento das nossas exportações seguiu-se a confirmação: “estamos em recessão”. Até o nosso presidente reeleito chamou o eterno dono das nossas finanças.
O nosso primeiro dirá que é apenas uma “recessão técnica”, porque em técnicas ele é mestre.
 
Mas afinal o que é isso?
Os nossos pme (pequenos e micro economistas) dirão em tom solene que o conceito de recessão é bastante complexo que acontece aquando uma queda no Produto Interno Bruto (PIB) durante dois trimestres consecutivos. Outros mais letrados em economia, os médios, afirmarão que recessão é uma capacidade ociosa generalizada, porque o crescimento do PIB tem de ser comparado com o crescimento da capacidade produtiva das empresas.
Para o cidadão que vota “neles” isto é tão difícil de entender que não lhes significa nada e por isso vão continuar a querer estes “boys&girls a gritar-nos a cadência da ordem unida em que vamos marchando – mais uma vez lá vamos cantando e rindo -.
E o tal sub ou inconsciente berra-me aos ouvidos que vêm ai mais umas sessões de propaganda!

Se os chamados cidadãos, que de cidadania vão tendo cada vez menos, não fossem portugueses, iriam continuar a sentir a ameaça do desemprego, a adiar a troca do automóvel e a cancelar as viagens de férias.
Mas, somos portugueses, logo o desemprego só acontece aos outros, o carro foi comprado no fim do ano que passou e as férias já estão antecipadamente marcadas para os paraísos dos brasis ou, das papuas.
Além disto os portugueses já sabem, porque foi noticiado por um, que foi grande, semanário que o FMI já não vinha.

E quem isto contraria são "velhos do Restelo", que não gostam do menino d’oiro e chamam “gripe E” à recessão a caminho da depressão, ou seja da pneumonia!

2 comentários:

Gaivota Maria disse...

O que eles estão é com inflamação de garganta de tanto falarem

XYNTIA disse...

Poder-se-à dizer que vem aí a nova "Pneumónica". Porque nós os "velhos do Restelo",nos lembramos que a de 1918, vitimou 55 780 pessoas (segundo os dados oficiais), na sua grande maioria crianças e adultos jovens.

Mas quantas crianças e jovens adultos poderá esta vitimizar?