terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Costa, Van Dunen, Guerra & associados

Francisca Van Dunem defendeu que o “importante” era assegurar que “não houvesse interferência do Governo” em todo o processo. E garantiu: “Não houve. Não houve interferência do Governo. Esta é a essência da questão.” 
Mas a afirmação não está factualmente correcta.

Sem comentários: