quarta-feira, 5 de julho de 2017

Para a história de Lisboa triste...

o Almeida Correia que em Lisboa usa o nome de Fernando Medina diz que precisa de todos nós, lisboetas, e encheu a cidade de cartazes de fundo branco, vazio, preenchido com duplas fotografias de apoiantes emparelhados, cujos ombros se sobrepõem e diluem no efeito gráfico das cores nacionais justapostas, como que a criarem a ilusão patriótica de que uns não existem sem os outros. [...]
o Almeida Correia (que em Lisboa usa o nome de Fernando Medina) não aparece nos cartazes, mas sabemos bem o que grita dia após dia aos lisboetas de Lisboa: vâo-se embora! Não têm lugar aqui, na cidade onde trabalham e moram. Lisboa é para os turistas e para os ‘da noite’. Ponto.
[...]
mas os lisboetas, esses, ficaram sem casas com rendas acessíveis, sem faixas de rodagem nas estradas onde precisam mesmo de circular, sem lugares para estacionamento e sem transportes públicos eficientes.

( em “Nós, os estrangeiros” por Laurinda Alves)

Sem comentários: