domingo, 18 de janeiro de 2015

nada do que diz respeito à sociedade no seu todo é discutido

Se quisermos uma imagem de uma sociedade aprisionada pela agenda de minorias não temos melhor que aquilo que vivemos nos últimos anos: nada do que diz respeito à sociedade no seu todo é discutido.

Em Portugal, no primeiro semestre de 2010, o país pagava juros cada vez mais altos para se endividar e a Segurança Social caminhava para a falência. Mas aquilo que o poder político impôs na agenda com a urgência de um assunto transcendente para os dez milhões de portugueses foi o chamado casamento homossexual.

Na esquerda democrática a agenda das causas fracturantes substituiu a ideologia pois sendo óbvio que Marx já não serve para governar a verdade é que, na falta de ricos para lhes confiscar os bens, de empresas para nacionalizar e de moeda própria para imprimir dinheiro a gosto, não há programa.

À direita, que passou do terror de ser considerada fascista ao medo de ser designada liberal, este tipo de polémicas permite-lhes o show off dos valores e em alguns casos, perante a óbvia irrealidade das propostas, torna-se até o momento adequado para os seus protagonistas mostrarem algum bom senso. Mas sempre com a atitude blasée de quem sabe que vai perder. 

mas também
Em França, até ao passado fim-de-semana (em que as ruas se encheram com uma massa humana quase impossível de quantificar chocada com os atentados), o que levara esmagadoramente para a rua os franceses foi a legislação em torno do casamento entre pessoas do mesmo sexo, da procriação medicamente assistida e das barrigas de aluguer. Entretanto no mesmo período a economia francesa apresentava sinais de declínio, os casos de agressões por razões religiosas e étnicas multiplicavam-se e a insegurança vivida nas ruas levava até a respostas armadas por parte de comerciantes fartos de serem assaltados e maltratados.

isto é
nada do que diz respeito à sociedade no seu todo é discutido. (por Helena Matos in minorias-e-os-prakistamos)


(para ler o artigo de opinião completo aqui)

Sem comentários: