sexta-feira, 5 de maio de 2017

programa eleitoral de Emmanuel Macron

 1. Redução de um terço do número actual de deputados e senadores.
 2. Supressão do regime especial de aposentação dos deputados.
 3. Generalização do voto electrónico até 2022.
 4. Paridade absoluta de género nas listas eleitorais.
 5. Cumprimento intransigente do direito à igualdade de género no espaço público francês.
 6. Alteração do mapa administrativo, com a supressão de um quarto das entidades territoriais hoje existentes.
 7. Criação de um estado-maior permanente de operações de segurança interna como peça fundamental na luta contra o terrorismo.
 8. Encerramento de templos e associações religiosas onde se faz a apologia da violência e do terrorismo.
 9. Anulação de novas missões militares francesas no estrangeiro, salvo em casos de legítima defesa.
10. Prioridade absoluta à cibersegurança e à ciberdefesa.
11. Reforço do orçamento da defesa até atingir 2% do orçamento anual francês.
12. Fixação de um tecto máximo de 0,5% do défice estrutural das finanças públicas até 2022.
13. Grande plano de investimentos públicos, orçado em 50 mil milhões de euros, destinados à qualificação dos recursos humanos, à modernização dos serviços públicos, à transição ecológica e à reabilitação urbana.
14. Introdução de mecanismos de controlo do investimento estrangeiro para preservar os sectores estratégicos.
15. Redução do imposto sobre as sociedades, de 33,3% para 25%.
16. Primado aos acordos de empresa no estabelecimento de novos contratos laborais.
17. Redução para 7% do desemprego nos próximos cinco anos.
18. Supressão de 120 mil postos de trabalho na administração pública.
19. Flexibilizar os horários de funcionamento dos serviços públicos.
20. Acelerar a convergência dos sistemas de pensões e reformas.
21. Criação de 30 mil apartamentos sociais para os jovens.
22. Redução do número de canais públicos audiovisuais.
23. Oposição ao alargamento das actuais fronteiras da NATO.
24. Manutenção das sanções à Rússia.
25. Alargamento a mais cinco países do número actual de membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (com inclusão da Alemanha, do Brasil, da Índia, do Japão e de um país africano a designar). (em “O programa de Macronpor Pedro Correia)
.

mais AQUI

Sem comentários: