quarta-feira, 4 de maio de 2011

"dois passos à rectaguarda, um passo em frente..."

Algumas coisas que o "querido lider" não disse: as más
A actividade económica portuguesa vai cair 2% este ano. Uma recessão bastante mais grave do que a prevista pelo Governo no PEC IV e que era de 0,9% .
A troika avança agora com uma previsão bem mais pessimista: uma recessão de 2% para este ano e idêntica no que se segue com consequencias no aumento do desemprego que poderá subir mais 3 ou 4 pontos. O subsídio de desemprego passará para 18 meses.
Na Função Pública está prevista a redução de, pelo menos, 1% ao ano dos trabalhadores da administração central e de 2% na administração local e regional, isto é 8000 funcionários.
A privatização é a palavra de ordem, do plano de ajuda financeira a Portugal e incide no "rápido desinvestimento total das participações públicas na EDP e na REN, e a expectativa de que as condições de mercado permitam a venda destas duas companhias, bem como da TAP até ao final de 2011",
Como tudo isto não é suficiente uma grande parte da classe média vai pagar mais IRS a partir do próximo ano com o corte nas deduções à colecta com despesas de saúde, educação, empréstimos à habitação.
Outras medidas, como a privatização dos seguros da Caixa Geral de Depósitos, vão ser parte do anúncio da próxima Quinta-Feira.
Em troca é-nos concedido um empréstimo global de 78 mil milhões de euros, dos quais 12 serão destinados à banca, durante os próximos três anos.

Sem comentários: