quarta-feira, 11 de junho de 2014

Ainda me espanto com alguma “ignorância institucional”!


A criação de divida aos “credores oficiais” teve como consequência imediata o resgate e a тройка que ainda não nos deixaram e, embalados no canto da sereia, nos empobreceram.
Isto é, três anos depois o partido do quase ex-secretário-geral, talvez embalado pela “estrondosa vitória”, não mudou o conceito que tem de economia e seguramente não faz ideia do que são finanças num país que não pode emitir moeda.
Se para além de lhes comentarem notícias avulso os sábios assessores de Martins Seguro lessem a imprensa a que temos direito saberiam que os “credores oficiais” – a Banca é dos principais – ainda não recuperou da quase falência que o anterior governo lhe provocou.
Pior, uma renegociação decerto seria aceite e de imediato começada a pagar pelos depositantes com descidas de taxas em depósitos e subida de comissões.

Mas aposto que Martins Seguro se aconselhou com o Conselho da Revolução, perdão, com o “tribunal” Constitucional… 

Sem comentários: