quarta-feira, 11 de setembro de 2013

votos, abstenção e piedosas mentiras!

Continuo a ouvir idiotas úteis, daqueles com visibilidade, a garantirem que o nível de abstenção vai aumentar e dai tiram a ilação de que os eleitores estão desiludidos com a democracia que temos. Acredito que muitos o estarão, em especial aqueles que um dia a sonharam e, num outro dia, com mais ou menos cravos, a implantaram.
Mas o que mais me choca é a iliteracia que grassa em gente de tão elevado valor para a “comunicação a que temos direito”, quando, ao que parece, eles não conseguem interpretar os números que lhes são disponíbilizados.
Vejamos:
Em 2011, segundo o INE, havia 8.657.240 residentes e os eleitores inscritos já eram 9.624.133. Deixando de lado a discrepância e considerando que a taxa de mortalidade e a natalidade tem valores semelhantes pouca deverá ser a diferença entre os inscritos para as anteriores Legislativas e os recenseados para as autárquicas que ai vêm (se tal não acontecer, teremos que considerar “a batota” e repensar o sistema de registo eleitoral).
Ora bem, a comparação que teremos que fazer, para verificar a saúde da nossa democracia, terá a ver com o numero de votos entrados nas urnas há 2 anos ou, melhor ainda, há quatro. Isto é, comparar os votantes de 29 de Setembro, com os 5.533.824 votantes de 2009 ou com os 5.588.594 das ultimas legislativas.
(já agora se repararam que a diferença entre os votantes de 2009 e os de 2011 não chegou a 1% ficam estas perguntas:
- onde é que pára a abstenção? e
- quem e porquê é que nos quer enganar?
porque, claro, não esqueço o tempo em a “abstenção” contava como voto a favor...)

Sem comentários: