quarta-feira, 6 de julho de 2016

A cobardia de Marcelo é uma ameaça?

este será o primeiro artigo a criticar o Presidente Rebelo de Sousa em total contra-ciclo com o politicamente correcto da maioria da imprensa a que temos direito...
( por Henriique Raposo Expresso diário, 06-7-16 )
Marcelo Rebelo de Sousa foi, é e será sempre cobarde. E o maior sintoma dessa cobardia é aquela vontade quase infantil de ser amado por todos, de receber palmadinhas de toda a gente, de ter colinho em todas as barraquinhas. No fundo, Marcelo só pode ser o Marcelinho, o menino que faz beicinho para ter miminho, em que seja numa patética flash interview de um jogo de futebol.

Este indivíduo está na vida pública há mais de quarenta anos mas parece o recruta zero, vive paralisado pelo medo de ser criticado, pelo medo de ser odiado por este ou aquele, por esta ou aquela sensibilidade política, cultural, religiosa ou futebolística. É por isso que se transformou no Nicholas Sparks da política. É por isso que Belém é neste momento a capital mundial da lamechice.

Não, não comece a rir-se, caro leitor. Esta literatura dos afectos começa a ser uma ameaça à dignidade do regime. É uma ameaça porque Marcelo não percebe que o Poder tem um protocolo diferente dos média.
Quem chega ao poder tem de perceber que não se pode comportar como um comentador que comenta tudo, mas mesmo tudo, desde a bola ao poste até ao assunto de Estado. Se Cavaco exagerava no secretismo e da distância imperial do poder, Marcelo exagera no sentido contrário. Como dizia Rui Ramos no Observador, o poder exige decoro, gravitas, seriedade, visto que está ali a chave do nosso futuro colectivo. Marcelo não compreende isto e continua a tratar a vida pública como se fosse um jogo. Não percebe que esta presidência apalhaçada está a minar a respeitabilidade de Belém que já faz parte do anedotário nacional.
Claro que as ondas deste desrespeito popular demorarão a chegar às redacções, que continuam a amar Marcelo. Porquê? Não sei, caro leitor.
Mas posso colocar uma pergunta a este respeito: será que Marcelo continua a ser a fonte de inúmeras “notícias” e boatos? Será que Marcelo será a fonte jornalística dos seus próprios Conselhos de Estado?

Este desrespeito pelas instituições atingiu ontem um ponto alto. Marcelo deixou-se fotografar com o mais famoso suspeito de corrupção do país, José Sócrates. Pior: elogiou-o. Não podia correr riscos, não é verdade? Aparecer ao lado do político que afundou o país na bancarrota financeira e moral não era suficiente para agradar à clique socrática, era preciso ir mais longe, era preciso elogiar o homem.
Como é que Marcelo não percebe que este elogio é um sinal de desrespeito institucional e cívico? Tendo em conta aquilo que já sabemos do caso, Sócrates não pode ser apoiado cívica e moralmente por ninguém. Seja qual for o desiderato da justiça, o que Sócrates fez é absolutamente imoral. Até Fernanda Câncio Já percebeu isso.

Meu caro leitor, ao ser incapaz de dizer não a Sócrates, Marcelo não revelou apenas a sua cobardia, revelou que a corte de Lisboa não é mesmo para gente séria.


“Acresce ainda que Marcelo se apressou a condecorar um desertor, socialista, traidor da Pátria, cujas inígnias foram recusadas por todos os outros presidentes. Falo de Manuel Alegre que, enquanto os portugueses, nossos irmãos, filhos. etc. lutavam em África, andava ele “revolucionariamente” a denunciar na Rádio Argel os movimentos das nossas tropas”:
Que favor terá Marcelo recebido em troca?


Sem comentários: