sábado, 28 de março de 2020

Preparados para enfrentar outra Crise?


Quando a geringonça chegou ao poder em Novembro de 2015, já não havia um programa de ajustamento a cumprir e o registavam-se quatro factores extremamente favoráveis:
O crescimento generalizado das economias europeias, americanas e asiáticas (algo que por si só favorece as exportações e o investimento estrangeiro).
Taxas de juro extraordinariamente baixas, devido essencialmente ao programa de quantiative easing do Banco Central Europeu.
crescimento do turismo, não só pelo aumento da quantidade e qualidade da oferta (para que muito contribuíram as companhias aéreas low cost), mas também pelo aumento da procura resultante do facto de outros destinos tradicionais se terem tornado muito pouco atractivos por motivos de segurança.
queda do preço do barril de petróleo que reduz o défice da balança comercial e liberta recursos financeiros para serem aplicados em outras actividades económicas.
agora
analisemos se as medidas mais emblemáticas da geringonça tornaram o país melhor ou pior preparado para enfrentar uma crise:
Redução do horário dos funcionários públicos de 40 horas para 35 – não só se traduziu num aumento da despesa (em pagamento de horas extraordinárias, e na contratação adicional de pessoal para compensar as horas perdidas) como também numa degradação generalizada dos serviços públicos. Esta medida teve um impacto particularmente grande no sector da saúde pública.
Aumento do número de funcionários públicos – foram mais de 26.000 entre 2017 e 2019 (fonte); e mais 15.000 em 2019 (fonte) o que representa mais despesa fixa numa altura em que com a digitalização e automação o estado deveria ser mais eficiente.
Aumento insustentável de pensões e prestações sociais – aumento da abrangência do Rendimento Social de Inserção; aumentos extraordinários das pensões; alargamentos dos subsídios de desemprego; aumento dos abonos de família; mais facilidades no acesso antecipado às reformas.
Recorde de cativações orçamentais – o que se traduz numa degradação dos serviços públicos assim como num investimento público em níveis abaixo do governo de de Passos Coelho (fonte).
Aumento da carga fiscal para níveis recorde, sobretudo através dos impostos indirectos, como o imposto sobre os combustíveis  – essencial para pagar o aumento da despesa; mas que reduz o rendimento disponível dos cidadãos e das empresas que é essencial para a poupança e para o investimento. Para 2020, estava previsto mais um aumento na carga fiscal (fonte).
desincentivo ao investimento e encorajamento à emigração dos quadros mais qualificados – a não redução do IRC sendo Portugal o quarto país da OCDE com a taxa efectiva de imposto sobre as empresas mais alta no valor de 27,5% (fonte); aumento da progressividade do IRS sendo Portugal o quarto país da OCDE com a maior taxa marginal de IRS de 72% (fonte).
De referir ainda que muito recentemente, o PS criou obstáculos e dificuldades ao alojamento local (fonte e fonte), acabou com os vistos gold em Lisboa e no Porto (fonte); aprovou uma contribuição adicional sobre as empresas com mais rotatividade (fonte); e ameaçou os investidores com a obrigatoriedade do englobamento dos rendimentos (fonte).

remar juntos

Nesta "noite que cai há semanas", temos de "remar juntos", afirmou o Papa. Perante uma Praça de São Pedro vazia, Francisco lembrou as "pessoas comuns" que estão hoje a "escrever a história".

sábado, 21 de março de 2020

We'll Meet Again...



O Governo abriu concurso para contratar 482 médicos que terminaram a especialidade nas áreas hospitalar, medicina geral e familiar e saúde pública, que garante a colocação de todos os recém-especialistas. (https://observador.pt/2019/12/21/governo-abre-mais-de-400-vagas-para-medicos-recem-especialistas/)

.
Segundo o gabinete da Marta Temido que está ministro da Saúde,“trata-se de um número recorde de vagas para um concurso de segunda época e que garante a colocação de todos os recém-especialistas” e
“Vai permitir reforçar os serviços hospitalares em 346 postos de trabalho, nomeadamente em especialidades como a Medicina Interna, com 40 vagas, anestesiologia (33 vagas), pediatria (28 vagas), ginecologia-obstetrícia (21), oftalmologia (16), ortopedia (14), entre outras”, 

quarta-feira, 18 de março de 2020

uma formalidade notarial...


A farsa da democracia representativa ficou hoje clarinha como água.
Desde que saiu de casa, ontem ao fim da tarde, Marcelo já tinha engatilhado o decreto que nos obriga a todos a seguir o seu “exemplo”, como se o comum dos portugueses tivesse “seguranças” que lhe levem a papinha feita a casa. Os recados seguiram pelos canais habituais. Hoje, em poucas horas, o CdeE de bonzos, por teleconferência, secundou o decreto. Ainda o decreto não estava na AR e já o PM dizia o que pensava dele. Na AR, pediram uma horinha para o ler antes de o votar. A seguir, o PM referenda e manda publicar. Depois fala Marcelo e, quatro horas depois, o decreto entra em vigor. O esmiuçar das medidas concretas fica para o governo amanhã. Em menos de 24 horas, a democracia parlamentarista demonstrou ao país que não passa de uma formalidade notarial sempre ao dispor do caprichismo de qualquer titular circunstancial de cargo político. Se o regime fosse presidencialista, com certeza que o PR não teria ficado duas semanas em casa a aboborar o entalanço “rapid” dos outros órgãos políticos. Ele seria o rosto das medidas e as medidas seriam dele, como se viu ontem numa entrevista do PM francês que evidentemente tudo ligou a Macron que tem sido impecável. Mas é o que há. (por João Gonçalves noFaceBuque)

segunda-feira, 16 de março de 2020

da imprensa a que temos direito!













Portugal em transe. Solidariedade e deserção.


O "afecto" fechou-se a sete chaves com medo, mais de quatro anos de distribuição sem parcimónia, a propósito e a despropósito, com uma convicção que a partir de agora fica mais que duvidosa? Como se não bastasse, Marcelo ainda arranjou um bocado para falar com a sua correspondente permanente no "Expresso" a quem, há dois dias, confessou, e passo a citar, "um gozo fininho por estar a fazer tudo" sozinho em casa. [...]
Mas o chefe de Estado é o chefe de Estado. E deve ser exemplar quando se trata de nos erguermos todos contra o medo. Não se pode esconder na despensa ou usar plataformas de comunicação social pública ou privada para contar as suas desventuras na cozinha ou na passagem da roupa a ferro.

domingo, 15 de março de 2020

Um ligeiro ponto de ordem...


Nos próximos tempos - próximos no sentido do C19 - não haverá eleições nem para a AR nem para PR. Pelo que é esta gente que tem de gerir a crise, o governo porque resulta da composição da AR e o PR porque resulta dele mesmo.
Não vale a pena, sem naturalmente abdicarmos do que pensamos deles, bater no ceguinho porque (e sobretudo o governo e o Estado central) eles é que estão PM, ministros e PR. E Costa neste momento é mais importante que Marcelo, coisa que se notou nesta “antecipação” de falas. 
Diga Marcelo o que disser, já não interessa nada. (por João Gonçalves no Face Book)

deixem-se de tretas e governem!


À medida que passávamos do coronavírus enquanto oportunidade de negócios para a nossa agricultura para a fase do coronavírus como luta pela nossa própria sobrevivência, sem esquecer o intermédio “tudo está a ser feito em Portugal para lidar com eventual surto de coronavírus, mais evidente se me tornava que não podemos continuar a pactuar com estes líderes que nos entretêm com combates planetários quando nem sequer conseguem garantir que temos testes e máscaras para enfrentar uma pandemia. [...]
Por exemplo, como é possível que aos milhares de funcionários do ministério da Educação não tivesse sido pedido que concebessem plataformas e um plano para aulas à distância? Como explicar que aquela constelação de entidades, autoridades de que fazem parte uma Comissão Nacional de Saúde Pública, um Conselho Nacional de Saúde,  mais a Comissão de Catástrofe e Emergência Interna (isto apenas no âmbito do SNS) não tenham conseguido estabelecer uma linha coerente de actuação? (in “Deixem-se de tretas e governem!” por Helena Matos)
Artigo completo AQUI

papa Francisco I Invoca fim da pandemia

Na tarde de domingo (15/03), o Papa Francisco saiu do Vaticano e venerou o ícone da Virgem 'Salus populi Romani' na Basílica de Santa Maria Maior. Depois, na Igreja de São Marcelo na Via del Corso, rezou diante do crucifixo que salvou Roma da peste.

Pandemia 2

 


sexta-feira, 13 de março de 2020

ainda há alguns com eles no sitio!

Dom Reynaldo Frederico Gugunhana Imperador de Gaza

A 13 de Março de 1896 chega a Lisboa, Gungunhana (1839-1906), último imperador do Império de Gaza, no território que actualmente é Moçambique, após ter sido aprisionado a 28 de Dezembro de 1895 na aldeia fortificada de Chaimite, por Mouzinho de Albuquerque (1855-1902). 
Foi primeiramente encarcerado em Monsanto, de onde mais tarde, a 23 de Junho de 1896, foi transferido para Angra do Heroísmo. Aí aprendeu a ler e a escrever e foi convertido ao cristianismo e baptizado com o nome de Reynaldo Frederico Gugunhana. A 23 de Dezembro de 1906, Gungunhana morreu no hospital militar de Angra do Heroísmo, vítima de hemorragia cerebral. Deixou descendência  (por Hernâni Matos ler AQUI e ainda melhor AQUI)
(Um outro bom estudo de Henrique Salles da Fonseca também em AS MULHERES DE GUNGUNHANA )



quinta-feira, 12 de março de 2020

O pior dia de sempre nas bolsas europeias. Índice Stoxx 600 afunda 10,5%


O Stoxx 600, o índice bolsista que segue as 600 maiores empresas europeias está a cair 10% e já esteve a perder 10,5% esta manhã de quinta-feira – é a maior queda percentual de que há registo. Entre a proibição das viagens entre EUA e Europa e a decepção em relação ao pacote de estímulos apresentado por Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu (BCE), os mercados financeiros estão a ter um dos piores dias da História – até a bolsa norte-americana está a registar perdas que só não são maiores porque há mecanismos automáticos de suspensão da negociação bolsista. (por Edgar Caetano no Observador )

quarta-feira, 11 de março de 2020

a manipulação dos jornalistas

ir para a hiperligação M E L
Movimento Europa e Liberdade
(a manipulação dos jornalistas)

terça-feira, 10 de março de 2020

MEL (o politicamente correcto)

ir para a hiperligação M E L 
Movimento Europa e Liberdade
(o Politicamente Correcto)

segunda-feira, 9 de março de 2020

Protestos, confrontos e seios nus: comícios marcaram o Dia Internacional da Mulher!

A coreografia das FEMEN na Place de la Concorde combinou acção feminista com o medo do coronavírus. As participantes vestiam equipamentos de protecção contra a radiação - na parte inferior do corpo, pelo menos - e "limpavam" as ruas do "vírus patriarcal".


No protesto realizado em Londres, desta vez o topless combinou o medo das mudanças climáticas com o feminismo. Os ativistas de mamas ao léu do grupo Extinction Rebellion bloquearam a ponte Waterloo, Nas inscrições podia ler-se 'Assassinato climático', 'Estupro climático', 'Abuso climático' e outras tretas semelhantes...

anos 60 !


a nova Invasão Otomana!.

O Exército Turco ajuda os muçulmanos a atravessar a fronteira, com escavadoras, barcos, etc. O governo grego mostrou um carro blindado a atravessar a fronteira, por ironia, um veículo financiado pela UE,.
Como reportam os jornalistas, a maioria dos "refugiados" são do Paquistão, Afeganistão, Turquia, e colocam deliberadamente as mulheres e as crianças na frente, quando há jornalistas por perto, sendo activamente ajudados pelas forças turcas que cortam os arames farpados, aplanam rampas para os barcos, incentivam aos movimentos e usam escavadoras para apropriar os caminhos.

domingo, 8 de março de 2020

as carruagens da CP...


Lembram-se? Pois agora esqueçam! 
Este “coiso” que era tão pouco recomendável que o mandaram pró exilio (dourado) de Bruxelas, dizia:
“...qual pobre remediado, de solas gastas, lá aparece o super-ministro do Planeamento (planeamento do quê?) Pedro Marques a fazer gala do anúncio da compra de 22 comboios para a falida CP, que traduzido em linguagem de geringonça, - "no valor de 168,21 milhões de euros, considerando o ministro da tutela que este "é um marco histórico"
ora bem, tomem nota:
“A CP é a Lehman Brothers de Portugal - é tóxico e pouco recomendável. Não há volta a dar. O bilhete é de ida apenas.” (in “Pedro Marques, o maquinista-salvador”por John Wolf)
.
lembro-me de quando a “CP” -deem-lhe o nomes que quiserem- e os seus trabalhadores eram uma força viva!
Hoje não nos defendem nem se defendem. São apenas o capacho roto e debutado de mais um governo  socialista que os cala “na imprensa a que temos direito”...

domingo, 1 de março de 2020

corona: os mais afectados


Esta foi a reportagem da Andrea Cunha Freitas em 28 de Fevereiro de 2020, no Público
“Homens acima dos 60 anos são os mais afectados pela epidemia que está a assustar o mundo, mas a doença Covid-19 é particularmente perigosa para as pessoas idosas com outras patologias associadas, como doença cardiovascular (10,5% das vítimas mortais), diabetes (7,3%) e doença respiratória crónica (6,3%). A taxa de mortalidade é mais alta para as pessoas acima dos 80 anos chegando aos 14,8%, a partir daí desce até chegar aos 0% no grupo das crianças até aos nove anos de idade. 
Os peritos e as autoridades de saúde pública têm sublinhado que este novo coronavírus tem uma taxa de mortalidade global de apenas 2%, que está muito abaixo da registada com outros coronavírus como a SARS (9,5%) e a MERS (34,5%). Se olharmos apenas para os infectados fora da província de Hubei (na China), onde surgiu o surto em Dezembro, a taxa de mortalidade não chega a 1%. Os cálculos para as estimativas da taxa de mortalidade exigem mais do que olhar para o número de mortes e de infectados. De forma geral, as estimativas apontam para uma taxa entre 1 e 3%, sendo que os números oficiais referem que a mortalidade será pouco superior a 2%.”