segunda-feira, 30 de novembro de 2009

na "calha" para um Conselho de Administração

O que é isso de trabalhar como o José Sócrates? O primeiro-ministro é uma pessoa que tem uma obsessão muito grande por realizar e concretizar as coisas e eu também tenho. A regra é 10% para planeamento, 90% para realização, é preciso pensar, discutir, mas há um momento em que já pensámos, já discutimos e agora vamos fazer. Ele tem uma ideia para o país e fica obcecado por concretizar essa ideia. Tem um objectivo que é transformar e eu sou muito sensível a isso. Há quem diga que não faz um segundo mandato porque se afastou do núcleo duro de José Sócrates. Não, por amor de Deus! Tenho uma grande amizade por José Sócrates. Aquilo que disse é que tenho quase 70 anos e o governo é uma actividade muito exigente. Precisa que as pessoas aceitem mentalmente esse sacrifício. Económico
um "discurso das Novas Oportunidades" para chegar rápidamente ao merecido "emprego" pós-ministerial, mentalmente pouco exigente?
Jámé.

domingo, 29 de novembro de 2009

bem prega Frei Tomás...

«Temos hoje, felizmente, sinais de que o pior já passou, e que o processo de retoma económica, ainda lento mas, esperamos, sustentado, já se iniciou», contudo, sublinhou o nosso actual primeiro ministro, «temos de tirar as devidas lições» da «mais grave crise económica dos últimos 80 anos», que afectou todo o planeta. Diário Digital
Henrique Neto, Medina Carreira e António Barreto estão errados?

sábado, 28 de novembro de 2009

uma casa em Marrocos

O barómetro da Marktest para a TSF e Diário Económico indica que a popularidade de José Sócrates sofreu uma queda de sete por cento este mês, embora o Partido Socialista (PS) mantenha as intenções de voto próximas das registadas em Outubro. TSF

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

O 'mistério' do 25 de Novembro de 1975

É sabido: no dia 25 de Novembro de 1975, no final do período revolucionário que se seguiu ao 25 de Abril, Portugal esteve à beira de uma guerra civil. Depois de um período de disputa pelo poder político-militar, que abrange todo o Verão de 1975, as forças democráticas (PS, PSD e CDS, na ala partidária, os moderados do Movimento das Forças Armadas, o MFA, liderados pelos Grupo dos Nove, e a Igreja Católica), que lutavam por uma democracia do tipo europeu, e as forças pró-comunistas (PCP, extrema-esquerda e a Esquerda Militar), que procuravam impor ao País um regime autoritário próximo do dos países comunistas, enfrentaram-se em Lisboa. Venceram os moderados e o caminho para a democracia foi reaberto. Mas a data, isto é, o "quem é quem" e o "quem faz o quê" nos acontecimentos que levaram os radicais do MFA a marchar com a unidade pára-quedista de Tancos sobre a capital e as principais bases aéreas em seu redor, ainda permanece envolto em "mistério". E nem um simples e linear raciocínio de mediana inteligência desata, 30 anos depois, esse "mistério". O "mistério" resume-se a uma pergunta: é, ou não, o PCP, com o apoio operacional da Esquerda Militar, a organização que avança para o confronto e porquê? Têm-se colocado dúvidas sobre a coerência (ou a "incoerência") de um plano militar "tão frouxo" como o dos revoltosos de Tancos. E, no plano político, sobre as verdadeiras intenções e acção do PCP nessa data. Em suma, perguntam os que alimentam esse "mistério": como poderia o PCP avançar para uma tentativa de mudança do poder político-militar com tal plano militar tão débil? E que quereria ele fazer, de facto, um golpe militar, tomar o poder? As respostas, mesmo com base em depoimentos que não incluem as "memórias" do PCP, são, para mim, simples. Era o plano militar de quem comandava o 25 de Novembro frouxo? Não. Qualquer aprendiz de militar verifica que uma acção de ocupação do quartel-general (QG) operacional da Força Aérea e das suas principais bases aéreas operacionais não é um plano qualquer. É um plano inteligente e necessário para fazer de novo bascular a balança do poder para a esquerda pró-comunista. Porquê? Porque, estando a principal força de actuação - o Exército - maioritariamente dominada pelos moderados, só o desequilíbrio dos restantes dois ramos das Forças Armadas - Marinha e Força Aérea - poderiam impor ao Exército um realinhamento político-militar e impedir uma eventual acção deste para repor a ordem no País. Tomar o comando da Força Aérea e as suas principais bases significava, "apenas", subtrair ao Exército o seu principal apoio. E era também uma forma de incitar e libertar a Marinha - nomeadamente os fuzileiros - para uma acção ao lado dos radicais. Que falhou neste plano militar? Duas coisas. Uma, e muito importante, o alinhamento do então comandante operacional do Copcon (QG operacional do MFA), general Otelo Saraiva de Carvalho, ao lado dos pára-quedistas (isto é: da Esquerda Militar). Otelo, que o PCP mais voluntarista contava como aliado e comandante militar "independente" para o golpe, foi para casa nessa madrugada, deixando os revoltosos sem um comando visível (e daí o ódio, que ainda hoje persiste, do PCP a Otelo). Outra, a acção do presidente da República, general Costa Gomes, que se opõe sinceramente a uma guerra civil e dá ordens de fidelidade hierárquica a unidades e cobertura aos militares moderados. Que falhou no plano político? Otelo e Costa Gomes, de novo. O general Otelo Saraiva de Carvalho, comandante operacional do MFA no 25 de Abril, fora preparado, depois de Março de 1975, para ser o "grande líder" da revolução. É namorado pelo PCP e por Cuba. Tem encontros a sós com Cunhal e Fidel Castro convida-o repetidamente para visitar a ilha. Otelo acaba por lá ir em Julho. É recebido como um herói, é-lhe incentivado um papel de caudilho. Otelo regressa aparentemente convencido, diz que vai mandar os "contra-revolucionários" para a praça de touros do Campo Pequeno e é portador de uma mensagem de Fidel para Costa Gomes anunciando a intervenção cubana em Angola. Mas, depois, Otelo falha sempre: não apoia o primeiro-ministro comunista Vasco Gonçalves nem os pára-que- distas. Costa Gomes também "falha". Deixa Cuba avançar em Angola, até porque Portugal era frágil aí. Mas não dá possibilidade ao golpe do 25 de Novembro de avançar em Lisboa. Homem da Guerra Fria e estratego inteligente, deixa Angola para as superpotências e Portugal para a NATO. Um mês antes do 25 de Novembro, o líder soviético Leonid Breznev, numa conversa a sós de quatro horas, em Moscovo, explicara-lhe que a União Soviética não combateria os EUA na Península Ibérica. Por isso, a primeira preocupação de Costa Gomes, na manhã do 25 de Novembro, é falar com Cunhal e o seu braço popular (não armado, mas armável), a Intersindical. Cunhal aceita, mas ganha tempo para negociar o futuro, sem grandes perdas para o PCP. Dir-se-ia não haver depoimentos ou provas suficientes do que afirmo. Mas há. Não se conhece tudo, mas o que se apurou, nestes anos de investigação e de recolha de relatos, é suficiente. Explicarei isso em próximo artigo. Jose Manuel Barroso em O 'mistério' do 25 de Novembro de 1975 no DN
este é um dos poucos artigos sérios sobre o 25 de Novembro.
Este JORNALISTA, que cumpriu serviço militar como capitão miliciano na Guiné, conheceu ali a maioria dos actores dos "dois 25" e no PREC teve, como poucos, um comportamento exemplar como profissional da Comunicação Social.
Foi pena não ter continuado este artigo de Opinião...

sábado, 21 de novembro de 2009

CDS-PP Lisboa lança outdoor contra mais contentores em Alcântara

O CDS-PP de Lisboa considera que é necessário esclarecer todo este negócio. Por isso denuncia, uma vez mais, esta situação com a Liscont lançando uma campanha com cartazes e abrindo espaço ao debate. O CDS-PP de Lisboa entende serem necessárias mais explicações e um debate mais alargado sobre este projecto de ampliação do terminal de contentores de Alcântara, no momento, em que são cada vez mais as vozes, nomeadamente de especialistas a criticarem esta opção, certo de existirem outras soluções. a) Concelhia de Lisboa do CDS-PP
é bom que não esqueçam...
a proposito disto: Oposição avança contra contentores. CDS rói a corda A preocupação do CDS em revogar a concessão prende-se sobretudo com a possível indemnização que Mota-Engil poderá pedir pela anulação de um contrato devidamente assinado. … O líder parlamentar do CDS, Pedro Mota Soares, disse a 18 de Outubro ao "Diário de Notícias" que o seu partido foi "o primeiro a fazer um pedido de aprovação parlamentar contra a adjudicação do contrato sem concurso público". por Filipe Paiva Cardoso, Publicado em 21 de Novembro de 2009 no “ i “

Até Sempre Jorge

A natureza é injusta, Jorge!
Conheci-te quando eras um activo e sensato “miúdo” da JC. Assim permanecerás na minha memória.

O HOMEM DO ANO

JUIZ COSTA GOMES: HOMEM DO ANO António Costa Gomes, juiz de instrução do processo 'Face Oculta', respondeu ao despacho do presidente do Supremo Tribunal de Justiça, afirmando que Noronha do Nascimento não tem competência para dar ordens para um processo que lhe é alheio. O juiz Costa Gomes não vai cumprir o despacho do presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Noronha do Nascimento, que ordenou a destruição das escutas que envolvem José Sócrates e Armando Vara, lê-se no 'DN' de hoje. O mesmo jornal adianta saber que o magistrado de Aveiro já enviou uma resposta ao presidente do Supremo, na qual terá afirmado que o presidente do STJ não tem competência para dar ordens a outro juiz. Este juiz é o HOMEM DO ANO, porque tem-os no sítio... o profissionalismo e a honra. in Jornal do Pau Para Toda A Obra

um "corno" do 27 de Outubro

Quando Manuel Pinho ganhou fama internacional com o seu famoso par de cornos, admiti que ele apenas se estava a dirigir aos seus primos ou irmãos da Câmara Corporativa. Afinal o homem era profeta e também me estava a colocar, a mim, na sua manada. Admito, portanto, pertencer á espécie e género a quem aquele neo-Bandarra se dirigia.
Afinal o "pusémos as contas públicas em ordem", as “centenas de milhar de novos empregos” e a “independência da justiça” eram treta. O déficite e a suspensão das avaliações da Drª Manuela foram tretas para corno ouvir. Para o cenário ficar completo basta que o “casamento de paneleiros e fufas” do Francisco Anacleto e o “fim do rendimento mínimo” do Paulo Sacadura passem a treta. E, era conhecido, isso do venerando chefe do estado já era treta… Amigos, lamento, mas tenho que me declarar um dos 5.683.967 cornos do 27 de Outubro.
Desculpem-me, mas sou de compreensão lenta, obviamente.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

cuidado, incompetentes "á vista" ? Ou talvez não.

As escutas do processo Face Oculta não gravaram a conversa entre Armando Vara, vice-presidente do BCP com o mandato suspenso, e Manuel José Godinho no gabinete do banco, a 25 de Maio, data em que o Ministério Público alega que o gestor recebeu das mãos do empresário de Esmoriz dez mil euros. Nem terão registado o que Godinho e vários dos arguidos no processo conversaram durante os muitos almoços vigiados pela Polícia Judiciária. Muito se falou das escutas direccionadas e dos avançados meios tecnológicos da Polícia Judiciária, mas várias fontes que consultaram o processo não encontraram qualquer referência a tais intercepções nos seus mais de 20 volumes. mais no novo oficioso PUBLICO Cada vez mais, se percebe menos. Até parece que também a Justiça em Aveiro também está cheia de incompetentes e que esta coisa da Face Oculta serviu apenas para vender papel e aumentar share's das TV's.
Não, até me parece que foram para Aveiro porque "faziam a diferença".

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

...e assim começa o "Centrão"

Questionado se não houve nenhuma cedência do PSD ao PS ao apresentar um diploma que não propõe a suspensão, mas sim a substituição do actual modelo de avaliação dos professores no prazo de 30 dias, Pedro Duarte respondeu: «Nós apresentámos o nosso projecto de resolução de acordo com aquilo que sempre foi a nossa posição.». «O PS, designadamente o primeiro-ministro, diz que vê com bons olhos a proposta do PSD. Isso, evidentemente, deixa-nos com grande satisfação até porque revela uma grande evolução do PS face às posições que sempre tinha assumido». TSF
Olhem a ternura com que ele fala. Pensei que iriam disfarçar mais algum tempo, mas o Bloco Central começa já. Centenas de "militantes" já estão com os pés nos tacos da linha de partida da grande corrida aos tachos que irão dividir. Cumprir promessas eleitorais? Que deveres é que eles tem para aquela gajada que não lhes deu a maioria? "Que se lixem, venha lá uma DG ou uma CEO que é para isso eu cá ando (e toca a correr com a Manelinha que é uma empata... e não me deixa dizer que isto é para o superior interesse nacional) "...

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Desemprego e PIB aumentam

As previsões do anterior e actual Governo para 2009 apontavam para os 8,8 por cento, mas a taxa de desemprego em Portugal atingiu, segundo o INE, os 9,8 por cento no terceiro trimestre de 2009, o que representa um agravamento de 0,7 % face aos 9,1 por cento observados no trimestre anterior. A relação com o mesmo intervalo de tempo, Julho a Setembro de 2008, mostra que o agravamento foi de 2,1 por cento num ano.

Interessante verificar que a partir de 2001 o aumento de desempregados foi sempre crescente, tanto quanto a prática dos "prémios de Gestão", a grande inovação que, no inicio do século, importámos. Uma curiosa coincidência.
Outra curiosa coincidência é que imediatamente antes e a seguir, quer o INE, quer o BdP avançam com a boa novidade que irá permitir "as boas noticias da excelente governação":
A economia portuguesa deverá sofrer uma contracção de 2,7 por cento em 2009, anunciou esta terça-feira o Banco de Portugal, instituição liderada por Vítor Constâncio, melhorando a sua expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) em 0,8 pontos percentuais desde a última previsão. TSF
Seguramente que esta boa irá "tapar" a anterior.
O que é que interessa que a economia contraia tanto quanto o desemprego dispara?
Quem é que quer más noticias...quando o sr.Pib engordou 0,8 % ?

sábado, 14 de novembro de 2009

JSD Pinto de Sousa ?

Ali Bábá

Estou velho. Pergunto-me se valeu a pena, quase meio século depois, continuar com a marca do xanfalho dos pólícias “intlectuais” que ocupavam a Avenida da Clássica? Onde pára a recompensa por ter ficado e depois mandado ir para as bolanhas receber as cicatrizes físicas e psíquicas que perduram? Receio já não encontrar respostas para o Largo do Carmo e para a Calçada da Ajuda dos Quartéis, onde se fez a liberdade, porque as declarações “deles” recordam-me o “Combat pour Berlin” do Goebbels, os idos de 68 do Livro Vermelho ou os relatórios dos pides, em que a verdade é apenas a deles e o resto é conspiração hoje retrovertida para "insulto". Cada vez mais, ler jornais, olhar televisões ou ouvir os comentadeiros de sempre rememoria-me apenas a infantil historieta “dos 40 ladrões” que só agora começo a entender. e penso… …para quando o “abre-te sésamo” que me leve a acreditar que uma vida não foi apenas tempo perdido.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

'Jogo dos Deitados' ... o mundo está doido!

Gary Clarkson e Christian Langdon, da cidade britânica de Somerset, inventaram o "Jogo dos Deitados" ("The Lying Down Game", em inglês), que estimula outros usuários a enviar fotos suas deitadas em lugares diversos. O grupo tem recebido fotos de internautas em diversos lugares, tanto públicos como privados. Há imagens de pessoas deitadas no meio da rua, diante de monumentos históricos (como o Taj Mahal) e em lugares inusitados da própria casa. "Este é um grupo para aqueles que gostam do esporte de se deitar em lugares públicos aleatórios, só para confundir as pessoas", afirma o site do grupo no Facebook. As fotos precisam obedecer algumas regras. As palmas da mãos das pessoas deitadas precisam estar grudadas nas laterais do corpo e os dedos dos pés precisam estar apontando para o chão. "É como se você estivesse de pé", explica o site. O grupo do "Jogo dos Deitados" já possui mais de 28 mil integrantes, que colocaram mais de 6 mil fotos no ar. Os criadores do grupo dizem que internautas de diversas partes do mundo estão participando da brincadeira, como Grã-Bretanha, Austrália, Nova Zelândia, Índia, Bosnia, entre outros. mais aqui»»

não sai mesmo que seja condenado

“Ainda confio na existência de magistrados sérios, que pronunciam veredictos sérios, baseados em factos”. O primeiro-ministro repetiu a ideia de que as acusações que lhe são feitas têm motivações políticas. PUBLICO.PT este post manifesta que temos que reaprender a ler...35 anos depois.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

esclarecimentos sobre certidões «dentro de uma semana»

O procurador-geral da República informou hoje que, em relação às certidões extraídas do processo Face Oculta, «dentro de uma semana» será «tudo esclarecido e tornado público» e afirmou que «é completamente falso» que tenha recebido as certidões do processo há quatro meses sem fazer nada. «Houve uma reunião, entre Maio e Junho, no meu gabinete com o procurador-geral distrital de Coimbra e o director do DIAP de Aveiro. No seguimento dessa reunião foi enviada uma certidão com imensas cassetes, que foi analisada, e em Setembro foi proferido um despacho meu e do presidente do Supremo Tribunal de Justiça», adiantou, garantindo que o processo Face Oculta não está parado e que «quem decide sobre o destino último das cassetes é o presidente do Supremo Tribunal de Justiça», afirmou. O PGR noticiou também que «o DIAP de Aveiro continua a enviar certidões», tendo recebido a última há 15 dias. Sol
Sabe-se que o Presidente do Supremo já decidiu (e despachou) o que era da sua competência: as conversas telefónicas com o primeiro-ministro. Acredito que já foram "plantadas" muitas noticias e muitas mais se seguirão... Não acredito que "dentro de uma semana" será "tudo tornado público" e, muito menos "esclarecido".

Mais de 500 enfermeiros saem do País

Pelo menos dez empresas, algumas das quais com agências em Portugal, estão neste momento a recrutar enfermeiros para países europeus, Canadá e Arábia, neste caso a troco de salários milionários. As condições são muito apelativas, especialmente quando há milhares de enfermeiros desempregados ou em condições precárias. Há sobretudo interesse em recrutar enfermeiros especializados, em áreas como a saúde materna, cuidados intensivos, cardiologia, entre outros, mas aos recém-licenciados as empresas também não recusam trabalho. ler mais no DN
Sem vislumbres de futuro os mais jovens irão procura-lo noutras paragens. Por cá ficarão os velhos... Nós. cit Prof. João Duque n’O Plano Inclinado, Sic Noticias

domingo, 8 de novembro de 2009

Sócrates "imita" Cavaco Silva do Governo minoritário... no DN

"Cavaco Silva rompeu o bloco central e ganhou as suas primeiras eleições em minoria. Sócrates propôs acordos a todos os partidos depois de perder a maioria absoluta e passou a ter de governar em minoria. " mais publicidade "plantada" para ler aqui A capacidade inventiva das agencias de publcidade governamental espanta-me, mesmo sabendo que é para isso que elas existem. A colagem que se pretende fazer deste governo minoritário ao de Cavaco Silva é óbvia e daquí se partirá para as "consequências" de um provável "chumbo". Tenta-se assim, ligando as duas situações, criar simultaneamente, nos politicos o medo de uma nova maioria absoluta e nos votantes a ideia que a culpa de uma possivel queda e dos maus resultados é das oposições. O texto do DN e, principalmente, a sua publicação num Domingo é típico de mensagens que as agências de informação querem passar. Contudo alguém se esqueceu de pequenos pormenores: Não existe PRD e os Votantes, cada vez mais jovens e bem preparados, têm em cima mais duas dezenas de anos de democracia. Pelo sim, pelo não, há que avisar a malta... e, se o texto do DN, não é aquilo que parece, ai vão as minhas desculpas.
Interessante será ler
Fontes sofisticadas de informação: análise do produto jornalístico político da imprensa nacional diária de 1995 a 2005, dissertação de mestrado de Fernando Vasco Moreira Ribeiro UP, uma versão pdf pode ser obtida aqui

Nós... em Plano Inclinado.

O Plano Inclinado, Sic Noticias, parece ser programa com total ausência dos lugares comuns a que os comentadeiros do costume nos habituaram. Por isso Mário Crespo, Medina Carreira (menos exuberante que o usual ), João Duque e Nuno Crato estão de parabéns. João Duque, em comentário final, foi perturbador ao referir que poderá acontecer a Portugal no Mundo o mesmo esvaziar humano que agora ocorre nas Aldeias do interior do País. Sem vislumbres de futuro os mais jovens irão procura-lo noutras paragens. Por cá ficarão os velhos... Nós.

sábado, 7 de novembro de 2009

História de Portugal. A luta de facções entre os salazaristas

... Era o que Marcelo Caetano não aceitava. À frente da UN em 1947, propôs-se suscitar "um verdadeiro levantamento cívico para conquistar a opinião pública e os votos". Não se conformava, como disse a Salazar, com o facto de o governo ser "a única realidade política activa, apoiado no aparelho administrativo e nas polícias". Também não ocultou as suas dúvidas em relação ao nível de vida do país. Em Setembro de 1954 visitou Trás-os-Montes e o Minho: "Vi magníficas obras, mas não posso dizer que me confortou ver o resto: muita pobreza, salários baixíssimos, desrespeito de horário de trabalho na indústria e nas obras públicas, exploração de menores; as Casas do Povo reduzidas a museus de folclore, etc." Os inimigos de Caetano, como o historiador Alfredo Pimenta, já o achavam em 1948 "nado, fadado e criado para ser o Kerensky da situação actual". Mas Caetano, que havia sido um integralista na juventude, nunca pensou em arriscar o poder numa competição eleitoral entre partidos. Em 1948, o sufrágio universal parecia-lhe "cada vez mais sem sentido e sem seriedade". Desejava apenas mobilizar as "massas" através das instituições corporativas e da melhoria da qualidade de vida. ... Rui Ramos, "História de Portugal" parte iii (Época Contemporânea), Esfera dos Livros - pré-publicação do capítulo 9 no Jonal “ i “ -.
curiosa e re-aplicavél a opinião de Marcelo Caetano em Setembro de 1954...

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

éticas de outros tempos em País de chicos-espertos

O Face Oculta continua desconhecido ou, talvez, do processo apenas se esteja a conhecer a ponta do iceberg que como qualquer dos blocos de gelos gigantes que vagueiam pelos oceanos, ocultam a maior parte de seu volume. Acontece que o oceano somos nós. Aqueles que escolhemos continuar a viver, com éticas de outros tempos, em País de chicos-espertos. Tal como noutros processos tenho poucas esperanças que a Face Oculta um dia fique Visível. Mal o cenário da opereta em reprise foi aberto e logo as "9 certidões extraídas” ficaram paradas numa qualquer gaveta enquanto os hipócritas habituais vão referindo a frase batida de “que ainda não há condenações”. Isto é, até a velha “ética republicana” está a desaparecer na gaveta da irresponsabilidade politica.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

a nova expressão que propaganda inventou

Pinto de Sousa desvendou e usou as expressões que passarão a ser usadas, pelo partido e pelo governo minoritário, durante a troca de palavras com Pacheco Pereira (que, confesso, irrita qualquer um...): "suspeições indevidas " "ressentimento político" e "forma doentia"... aguardam-se as seguintes que já estarão a ser preparadas nas Agencias e "plantadas" nos OCS.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

mais esforço que nos anos 80... Quem ainda se lembra daquele 13º mês?

O FMI estima que a dívida pública atinja os 81,9% do PIB no próximo ano, mais de vinte pontos percentuais acima do limite do PEC. A Comissão Europeia nas projecções de Outono admite que a dívida esteja nos 84,6% do PIB em 2010 e que se agrave até aos 91,1% no ano seguinte. A confirmarem-se estes novos dados da Comissão, serão os maiores défices desde a década de 80. O primeiro-ministro que diz ter conseguido, como ele próprio fez questão de sublinhar, o défice mais baixo da democracia em 2008 nos 2,6%, será seguramente recordado por ter também o recorde do maior. Expresso.pt

o pior cego...


O ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, admitiu pela primeira vez que o défice orçamental pode ficar acima dos 5,9% do PIB que previu em Maio passado, após a Comissão Europeia estimar um défice orçamental de 8%.

Para a CE com a economia a registar uma contracção de 2,9 por cento em relação a 2008, o défice orçamental deverá ser de oito por cento em 2010 e aumentará para 8,7 em 2011.
Por outro lado a divida pública deverá alcançar os 77,4 por cento este ano e chegar aos 91,1 % em 2011. DN

As Previsões do Outono hoje divulgadas pela Comissão Europeia «não constituem surpresa para o CDS», referiu a deputada Assunção Cristas.
«Nós sempre dissemos que o défice estaria entre os 7,5 e os 8,5 por cento, por isso não é surpresa e confirma que é preciso autenticidade e realismo nas previsões» e considerou "que as previsões de Outono da Comissão Europeia mostram que o modelo seguido pelo Governo está a atrasar a retoma da economia portuguesa. mais no Sol

Obviamente que a opinião do CDS é idêntica a todos os partidos da oposição que foram violentamente criticados por Teixeira dos Santos quando, em Maio, referiram a impossibilidade dos 5,9 %.
Recordo que na altura a expressão usada pelo governo para as criticas da Oposição é que eram “insultuosas”.
Qual será a “nova expressão” que as as agencias de propaganda e publicidade governamental irão criar para esta nova fase?